Economia

Confira a relação com 5.700 vagas oferecidas

Posted on 26/10/2009. Filed under: Economia | Tags:, |

Agências de recursos humanos, empresas e sindicatos selecionam candidatos de todos os níveis de escolaridade

Cristal-Rio

Ajudante de motorista (com carteira de habilitação) (1); analista de departamento pessoal (RM Labore e Chromus) (1); analista de sistemas (1); aprendiz de marceneiro (1); assistente administrativo (com inglês fluente, domínio de informática e pacote Office) (1); assistente contábil (1); assistente de departamento pessoal (com RM e Chromus) (1); assistente de diretoria (1); atendente de recepção (com carteira de habilitação, inglês fluente e que more em Niterói) (4); auxiliar administrativo (com experiência em Windows, Word e Excel e experiência em ONG) (1); auxiliar de contabilidade (com conhecimento de impostos, contribuições federais, IR, PIS, Cofins e preparo de DACON, DCTF, DIRF) (1); auxiliar de departamento pessoal (oriundo escritório contábil) (1); auxiliar de escritório (com experiência em arquivo e Excel) (1); auxiliar de manutenção predial (1); auxiliar de P.C.P. (1); auxiliar de serviços gerais (1); borracheiro(a) (com experiência em máquinas e equipamentos pesados) (1); camareiro(a) (1); comprador (1); comprador(a) (oriundo de confecção e de vestuário) (1); contador(a) (com experiência em indústria) (1); corretor(a) (com Creci) (1); eletricista de auto (com experiência em máquinas e veículos pesados) (1); eletricista industrial (inversores de frequência, experiência em PLC, equipamentos industriais, motores, painéis de comando, instrumentação, experiência em equipamentos de utilidades e experiência em sistema SAP) (1); embalador(a) demóveis (1); encarregado de sala técnica (com experiência em planejamento de obras trabalhar em Pernambuco) (1); encarregado de topografia (1); encarregado(a) de logística (1); encarregado(a) de mecânica (com experiência em manutenção de veículos pesados e inglês técnico para leitura de manuais) (1); engenheiro mecânico (com experiência em equipamentos pesadas para trabalhar em obra em Pernambuco) (1); engenheiro(a) civil (com experiência em obras pesadas para trabalhar em Pernambuco) (1); garçom (com conhecimento de inglês) (1); lancheiro (com experiência em massa folhada) (1); mecânico de manutenção (1); mecânico de manutenção (máquinas pesadas) (2); mecânico de refrigeração (câmaras de refrigeração) (1); motorista para Kombi (1); operador de dobradeira (1); operador de escavadeira (5); operador de máquina (oriundo de metalúrgica e experiência em estampo) (1); operador de copiadora (1); orientador(a) educacional (com curso superior em pedagogia e experiência em ensino fundamental) (1); planejador(a) de compras Word e Excel (1); recepcionista bilíngue (com carteira de habilitação e inglês) (2); revisora de confecções (1); supervisor(a) de vendas (1); técnico em eletrônica (com inglês fluente, oriundo da área naval, experiência em radar, Solid Works e Autocad R14) (1); técnico químico (1); topógrafo(a) (obras em Pernambuco) (1); vendedor interno e externo (autopeças, com experiência em vendas de prestação de serviços e oriundo de empresas de mudanças) (1); vendedor(a) (com experiência em autopeças) (1); vendedor(a) interno (oriundo de papelaria) (1); vendedor(a) técnico (com carteira de habilitação, técnico em mecânica ou mecatrônica e com experiência em hidráulica) (1); vendedor(a) técnico (com inglês) (1). Comparecer à Rua Senador Dantas 80/201, Centro do Rio, com currículo e documentos, e procurar por Rose, Sandra ou Valentina.

Alike Rio

Assistente de contabilidade (com experiência de rotina contábil e domínio de Excel) (1); assistente de departamento pessoal (com experiência na rotina da área e folha Prosoft) (1); auxiliar de departamento pessoal (1); costureiro(a) (overloque, colarete e retista) (2); eletricista (manutenção corretiva e preventiva) (10); técnico em segurança do trabalho (1); vendedor de produtos de informática (4). Ir à Rua Washington Luiz 9, sala 503, Praça Cruz Vermelha, Centro do Rio, com currículo e documentos; enviar currículo pelos Correios, discriminando a vaga no envelope; ou para curriculo@alikerio.com.br, discriminando a vaga no “assunto”.

Dinâmica RH

Ajudante de caminhão (20); ajudante de cozinha (10); ajudante de mecânico (5); assistente administrativo (5); assistente de contabilidade (15); atendente de consultório de acupuntura (10); atendente de lanchonete (10); atendente de restaurante (3); auxiliar de departamento fiscal (curso técnico em contabilidade, com experiência em sistema Prosoft) (25); auxiliar de departamento pessoal (10); auxiliar de produção de pescados (35); auxiliar de serviços gerais (5); babá (150); balconista de loja de tintas (15); balconista de padaria (15); churrasqueiro (20); costureiro(a) retista (30); cozinheira folguista (50); cozinheiro (self service) (6); cozinheiro à la carte (20); cozinheiro(a) (que possa dormir) (120); cumim (10); desenvolvedor júnior (com PHP, UML e MYSQL) (10); divulgador(a) (10); doméstica (que possa dormir) (300); estoquista de loja (5); estoquista de material de construção (20); garagista (10); garçonete de rodízio de pizzas (passadora) (5); gerente de restaurante (3); instalador de CFTV (90); lancheiro (50); mecânico a diesel (30); motoboy (com moto própria) (30); motorista para Kombi (5); motorista de caminhão (com Moop) (15); motorista de caminhão (5); operador(a) de caixa (8); operador(a) de telemarketing ativo (15); pizzaiolo (50); porteiro manobrista (2); promotor(a) de vendas (5); recepcionista (2); recepcionista (odontologia) (2); recepcionista hospitalar (10); saladeiro (50); suqueiro (50); sushiman (20); técnico em eletrônica (10); técnico em telecomunicações (instalação e manutenção de CFTV, PABX e alarmes) (25); técnico em refrigeração (10); vendedor de materiais de construção e madeiras (20); vendedor de moda feminina (com experiência em loja de fino trato) (10); vendedor(a) externo de material de construção e madeiras (5); vendedor(a) externo de telecomunicações (10); vidraceiro(a) (2). Ir à Avenida Dom Hélder Câmara 7.797/2º andar, Abolição, com currículo documentos.

Soma RH

Ajudante de cozinha (com experiência em cozinha industrial) (30); analista contábil (com experiência no sistema MXM) (2); assistente de atendimento (350); atendente de recepção (com inglês fluente) (60); auxiliar de confeiteiro (5); auxiliar de cozinha (que tenha experiência na função, para atuar em cozinha industrial) (90); auxiliar de cozinha (30); auxiliar de jardinagem (10); auxiliar de limpeza (100); auxiliar de maquinista (4); auxiliar de serviços gerais (15); camareira (2); confeiteiro(a) (5); coordenador(a) (10); copeiro(a) (20); costureiro(a) (50); cozinheiro(a) (15); cumim (2); encarregado(a) limpeza (10); garçom (conhecimento do idioma inglês) (300); lavadeira de lavanderia (20); maître (40); mecânico hidráulico (3); motoboy (6); operador(a) de caixa (150); recepcionista bilíngue (é imprenscidível ter inglês fluente e ser estudante universitária) (700); supervisor(a) de franquias (2); supervisor(a) de vendas (com inglês fluente) (2); vendedor de celular (30). Ir à Avenida Rio Branco 80, 3º andar, Centro do Rio, com currículo e documentos ou enviar currículo para juliana.martins@somaservice.com.br.

Boa Gente RH

Ajudante de cozinha (com experiência em cozinha industrial) (15); ajudante de depósito (8); atendente de cafeteria (com experiência ou sem experiência, para primeiro emprego) (40); atendente de hortifruti (8); atendente de loja de conveniência (45); auxiliar de produção (25); balconista de papelaria (10); chefe de cozinha industrial (1); digitador (5); estoquista de papelaria (18); fiscal de loja (3); meio-oficial de cozinha (6); nutricionista (2); operador(a) de caixa (10); porteiro (2); preparador de máquina injetora (5); repositor de mercearia (que tenha atuado em supermercado) (12); segundo cozinheiro (6); torneiro mecânico (2). Ir à Avenida das Américas 3.959, loja 210, Barra, das 8h às 16h, e deixar currículo na portaria.

Confiança RH

Atendente de fast food (10); chapeiro (1); costureiro(a) retista (3); lancheiro (1); marceneiro (2); operador(a) de computador (3); supervisor(a) operacional (1); técnico (3); técnico em segurança do trabalho (1). Enviar e-mail para rh@confiancarh.com.br.

Gama

Ajudante de cozinha (3); ajudante eletricista (1); analista de qualidade (1); arquiteto(a) (com CREA ativo) (1); assistente de contabilidade (com CRC e experiência de rotina contábil e domínio de Excel) (1); assistente de eventos (1); brigadista (2); cozinheiro júnior (3); eletricista de manutenção (1); gerente comercial (1); gerente de vendas (1); mecânico de refrigeração (Chiller’s, freezers industriais e Fancoil’s) (1); mecânico de refrigeração (com carteira de motorista “B”, e experiência em equipamentos de ar-condicionado, Chiller’s, condicionamento de ar em sala limpas, Fancoil´s e câmaras de refrigeração) (1); mecânico de refrigeração (equipamentos de ar-condicionado, Chiller’s e Fancoil’s) (2); operador(a) de caixa (10); pedreiro (2); pintor(a) (2); supervisor(a) de montagem (1); vendedor interno e externo (1); vendedor(a) externo (1). Comparecer à Rua Uruguaiana 39, Centro do Rio, e deixar currículo na portaria, discriminando a vaga no envelope; ou encaminhar currículo para o e-mail gamaconsultoria@veloxmail.com.br, discriminando a vaga no “assunto”.

KS RH

Analista fiscal (1); auxiliar de escrita fiscal (cálculos e apurações) (2); auxiliar de produção (60 vagas para portadores de necessidades especiais); auxiliar de vendas (com experiência em suporte ao cliente e vendedores) (60); eletricista industrial (5); encapsulador(a) (2); enfermeira(o) (3); estoquista de moda feminina (10); fiscal de loja (15); manipulador (com experiência em farmácia de manipulação) (4); mecânico industrial (4); pedreiro (10); servente de obra (8); tecnico em enfermagem (5); vendedor de moda feminina (com experiência em loja de fino trato) (40); vigilante brigadista com ata (5). Ir à Avenida Rio Branco 37, sala 1.101, Centro do Rio, com currículo.

Mazzini RH

Repositor(a) de mercearia (70). Comparecer à Rua Araújo Porto Alegre 70, grupo 811, Centro do Rio, com currículo e documentos.

RHF Talentos

Ajudante de padeiro (1); atendente de lanchonete (5); atendente de padaria (5); auxiliar (2); auxiliar de departamento pessoal (1); balconista de papelaria (3); confeiteiro(a) (1); consultor(a) de vendas (4); encarregado de loja (1); entregador (5); lancheiro (1); padeiro(a) (1). Ir à Avenida Brás de Pina 2.073, sala 302, Vista Alegre; ou enviar currículo para curriculos.rhftalentos@yahoo.com.br.

Pool RH

Ajudante de caminhão (com experiência em transportadora) (10); analista fiscal (5); motorista (com carteiras de habilitação “B” e “C”, para Kombi) (15); operador(a) de telemarketing ativo (para gênero alimentício) (400); operador(a) de telemarketing ativo (para gênero alimentício) (500 vagas para portadores de necessidades especiais); supervisor(a) de telemarketing (10). Comparecer de segunda a quinta-feira, às 9h ou às 13h30m, à Avenida Presidente Vargas 482, salas 1.411/12, no Centro do Rio.

Lavigne & Gatto

Ajudante de pizzaiolo (3); arquiteto(a) (3); atendente de pizzaria (3); auxiliar de cozinha (1); auxiliar de projeto (2); auxiliar de serralheria (2); auxiliar de seviços gerais (2); balconista de pizzaria (2); caixa (3); ciclista (3); desenhista (4); desenhista de autocad (3); desenhista industrial (2); desenhista projetista (1); entregador (3); meio-oficial serralheiro (1); motoboy (2); operador de projeção (2); pizzaiolo (5); serralheiro (1); serralheiro de alumínio (2); serralheiro de ferro (2); serralheiro de letreiros (1). Enviar currículo para o e-mail curriculos@lavigne-gatto.com.

SLM RH

Agente funerário (com carteira de habilitação) (3); ajudante de caminhão (22); ajudante de depósito (135); assistente de marketing (3); atendente de lanchonete (17); bombeiro(a) (8); copeiro(a) (com prática de sucos) (3); cozinheiro (com experiência em culinária japonesa) (15); cozinheiro de restaurante (20); garçom (com experiência em restaurante de comida japonesa) (50); gerente de TI (1); lancheiro (4); manicure (6); manobrista (6); motorista de caminhão (9); motorista/motociclista (com carteiras de habilitação “A” e “C”) (10); pizzaiolo (7); recepcionista bilíngue (2); saladeiro (25); sushiman (7); tecnólogo (5). Enviar currículo para o e-mail rh@slmrh.com.br, com título da vaga no “assunto”, ou para Avenida Treze de Maio 33, sala 709, Centro.

 

As informações são de responsabilidade das agências. Em casos de dúvida, deve-se procurar as empresas.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

IPI garante IPVA menor em 2010

Posted on 22/10/2009. Filed under: Economia | Tags: |

Governo aposta no aumento da frota para fazer frente ao imposto barato e não perder arrecadação

Bernardo Moura
bernardo.moura@extra.inf.br

O Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2010 ficará mesmo mais barato. A desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) derrubou os preços de carros novos e usados. Como o valor de mercado é utilizado no cálculo do tributo, a queda será inevitável.

Extraoficialmente, a Secretaria estadual de Fazenda já reconhece que não prevê aumento de arrecadação com o IPVA no ano que vem. A expectativa é a de que a desvalorização provocada pelo IPI reduzido seja compensada pelo aumento de veículos rodando pelas ruas e estradas do estado. Dessa forma, os técnicos da Fazenda acreditam que o montante a ser arrecadado com o imposto em 2010 será similar ao deste ano.

Mais carros

A previsão faz sentido. Entre dezembro de 2008 e setembro deste ano, a frota de veículos do estado cresceu 5,5%. O percentual representa 241.516 novos carros, que já pagarão o próximo IPVA. No mesmo período, o número de veículos com motor flex — que pagam alíquota de 4% — subiu 32%. Já os carros movidos a álcool, que pagam IPVA de 2% sobre o valor de mercado, registraram queda de 0,5% entre dezembro e setembro.

O governo ainda não estabeleceu uma data para a divulgação dos valores do IPVA 2010. Normalmente, a Fazenda estadual lança a tabela em dezembro, próximo ao Natal. Sabe-se, porém, que será utilizada a lista de valores de mercado dos veículos relativa ao mês de setembro, elaborada pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe).

Na tabela abaixo, o EXTRA publica os possíveis valores do IPVA 2010 entre os 23 carros a gasolina (incluindo flex) mais vendidos, segundo o ranking da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Os valores não consideram as taxas do Detran-RJ nem o custo do seguro obrigatório (DPVAT). Um Ford Ka 1.6 ano 2008 deverá ter no imposto do ano que vem uma redução de 28,25% em relação ao que foi cobrado neste ano.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Vendas do comércio crescem 0,7% em agosto, na quarta alta seguida

Posted on 16/10/2009. Filed under: Economia |

Juros ao consumidor caem pelo 8º mês consecutivo, para 7,01% mensais

Fabiana Ribeiro

As vendas dos supermercados puxaram o resultado do comércio em agosto. Segundo o IBGE, o volume de vendas do varejo brasileiro subiu 0,7% em relação a julho, na série com ajuste sazonal, no quarto mês seguido de expansão. No ano, o setor acumula alta de 4,7% e de 5,4% nos últimos 12 meses.

— O desempenho do comércio ainda está abaixo do período pré-crise. Mas o setor está melhor que a indústria. O que é resultado, especialmente, de avanços na renda e no crédito — disse Nilo Lopes, técnico do IBGE.

Frente a agosto de 2008, as vendas cresceram 4,7%. Das oitos atividades do varejo, seis apresentaram altas nessa comparação. Destaque para o setor de supermercados, com 8,5%.

— A inflação menor favoreceu a venda de alimentos. Esse setor praticamente não sentiu a crise — disse Lopes.

Ele lembra ainda que setores que dependem de crédito ainda têm sequelas da crise financeira global. É o caso de tecidos, vestuário e calçados (-5,8%).

— Já o comportamento das lojas de móveis e eletrodomésticos mostra leve recuperação. Em relação a agosto de 2008, há alta de 0,6%. No ano passado, os avanços estavam na casa de dois dígitos — acrescentou.

Para Silvio Sales, da Fundação Getulio Vargas, “os índices mostram, de forma inequívoca, a importância da demanda doméstica na sustentação da atividade econômica do país”. Sales lembra que, desde o início da crise, as vendas do varejo ampliado (que inclui veículos e construção), só recuaram frente a igual mês do ano anterior em três ocasiões: novembro (-4,2%) e dezembro (-1,2%) de 2008, e em abril de 2009 (-0,8%).

Levantamento da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac) mostra que os juros cobrados de pessoa física caíram em setembro pelo oitavo mês seguido, para 7,01% mensais (125,47% ao ano) apesar de a taxa básica do país (Selic) ter ficado inalterada em 8,75% anuais. O cartão de crédito é a única modalidade sem queda na taxa nos últimos sete meses, com 10,56% ao mês (233,56% ao ano).

COLABOROU Mariana Schreiber

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Mercado de trabalho sai da crise com 252 mil vagas formais em setembro

Posted on 16/10/2009. Filed under: Economia |

Número de postos criados desde fevereiro já supera o de fechados na turbulência

Geralda Doca
BRASÍLIA e SÃO PAULO.

O mercado formal de trabalho brasileiro superou a crise internacional no mês passado, exatamente um ano após o agravamento da turbulência global. Entre novembro de 2008 e setembro último, o Brasil já apresenta saldo líquido de 236.884 empregos com carteira assinada, após ter eliminado 797.515 postos entre novembro e janeiro. A contribuição definitiva foi dada no mês passado, com a criação de 252.617 vagas, o melhor número de 2009 e o segundo mais elevado para setembro da série histórica. Com isso, o país superou a marca de um milhão de vagas geradas este ano.

Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho. O bom cenário de setembro reflete a retomada vigorosa da economia.

Todos os setores contrataram mais do que demitiram

Pela primeira vez no ano, todos os setores contrataram mais que demitiram no acumulado de 2009. O saldo líquido foi puxado pela indústria da transformação, que respondeu no mês pela contratação de 123.318 trabalhadores. Os ramos com melhor desempenho foram produção de alimentos, têxtil, de calçados, metalúrgico, químico e mecânico. No ano, a indústria já responde pela geração líquida de 62.759 postos. Mas o segmento ainda amarga um saldo negativo de 291.270 durante a crise, que começou a produzir efeitos em novembro do ano passado.

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, comemora o desempenho da indústria e diz que o setor vai puxar as contratações em outubro, geralmente fraco para o emprego. Estoques baixos e demanda aquecida contribuem positivamente este mês, diz Lupi:

— Outubro será melhor que setembro e acho que podemos chegar em dezembro com 1,1 milhão de empregos. A indústria de transformação e o comércio varejista e atacadista, além da construção civil, vão ajudar muito — previu.

O segundo setor que mais contratou em setembro foi o de serviços, com 62.768 postos, influenciado por comércio e administração de imóveis, alojamento e alimentação. Em seguida estão comércio (50.301) e construção civil (32.667). Devido a fatores sazonais, a agricultura perdeu 17.064 postos. No ano, o setor de serviços também lidera as admissões, com 411.426 vagas. Outro destaque é a construção civil, com 184.204 postos, em segundo lugar.

O Caged mostrou que a Região Nordeste pela primeira vez este ano superou o Sudeste e gerou 100.442 empregos, sobretudo na cadeia produtiva de açúcar e álcool. O Sudeste fez 85.864 admissões, com destaque para São Paulo (59.547) e Rio de Janeiro (14.659). As nove regiões metropolitanas do país responderam por 87.419 vagas, enquanto o interior dos estados desses conglomerados gerou 75.941 postos.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) disse ontem que o emprego na indústria paulista ajustado sazonalmente subiu 0,2% em setembro ante agosto, com 14 mil vagas. Sem ajuste, a alta foi de 0,63%.

(*) Com agências internacionais

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Mercados em dia de euforia e recordes

Posted on 16/10/2009. Filed under: Economia |

Com China e EUA, Bolsa de SP passa dos 66 mil pontos e dólar cai a R$1,70. Em NY, Dow fica acima de 10 mil

Felipe Frisch

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) rompeu ontem duas barreiras importantes no seu principal indicador, o Índice Bovespa (Ibovespa), que ultrapassou, no mesmo dia, os 65 mil e os 66 mil pontos. Já o dólar caiu para R$1,70. Num dia de otimismo global, o Ibovespa encerrou com ganho de 2,41%, aos 66.201 pontos, maior pontuação em 16 meses, desde 19 de junho do ano passado. Os ganhos foram puxados pelas ações da Vale e de siderúrgicas, em forte alta com o anúncio do aumento de 65% das importações de minério de ferro pela China, em setembro, batendo novo recorde histórico, de 64,55 milhões de toneladas. O Dow Jones, principal índice da Bolsa de Nova York, fechou acima dos dez mil pontos, o que não ocorria desde 3 de outubro de 2008.

No Brasil, as ações da Vale, que têm peso de 16% no Ibovespa, subiram 4,62%, figurando nas maiores valorizações entre os papéis que compõem o índice, ou seja, os mais negociados da Bolsa. Já as ações de Gerdau, Usiminas e CSN subiram mais de 5%, até mais de 6% no caso da Gerdau. Juntas, as três empresas têm peso de 11% no Ibovespa. A euforia também puxou o volume da Bolsa, que chegou a R$14,5 bilhões no dia. Mesmo descontando os R$2,43 bilhões dos contratos de opções de Ibovespa, que venciam ontem, o volume supera bastante a média recente em trono de R$5 bilhões diários.

— O mercado amanheceu forte com os dados da balança comercial chinesa e as commodities (matérias-primas) para cima. Os resultados (das empresas) estão vindo acima do esperado, o mercado está bem-humorado à beça — sintetizou o economista da Um Investimentos, Hersz Ferman, destacando ainda as ações de construtoras, em alta devido à expectativa de que o novo aporte de capital do governo na Caixa ajude o setor.

Diante da alta das commodities, especialmente as metálicas, o dólar caiu no mundo, com investidores vendendo a moeda americana para comprar metais. No Brasil, a moeda americana despencou 1,39%, em queda pelo quarto dia consecutivo, e foi a R$1,703, a cotação mais baixa desde setembro de 2008, apesar de o Banco Central (BC) ter comprado moeda no mercado à vista. No ano, a divisa já cai 27% e a Bolsa sobe 76%.

Os dados de outubro tornaram ainda mais evidente o trabalho do BC para tentar segurar — até agora, sem sucesso — a forte apreciação do real frente ao dólar. Nos nove primeiros dias úteis do mês, foi registrado o maior superávit do fluxo cambial (entrada e saída de moeda estrangeira) de 2009, considerando-se inclusive os meses fechados. No período, o BC fez sua maior compra de dólares no mercado à vista, superando agosto e setembro juntos. Entre os dias 1º e 9, foram US$5,383 bilhões, quase 90% do comprado nos dois meses anteriores (US$6,106 bilhões).

Esse montante já é maior que todos os movimentos mensais fechados desde que o BC voltou a comprar dólar, em maio. Só em 8 de outubro foram US$4,640 bilhões, enxugando a liquidez decorrente da oferta de ações do banco espanhol Santander. A operação também puxou o fluxo cambial, que, entre os dias 1º e 9, teve saldo positivo de US$3,725 bilhões, acima dos resultados fechados de todos os meses deste ano.

JPMorgan surpreende e lucra US$3,6 bi

A melhora nos dados de comércio exterior da China em setembro foi vista como mais um sinal de firmeza na recuperação da economia do país, o que influenciou as commodities. No total, as exportações chinesas caíram 15,2% em relação a setembro de 2008, e as importações, 3,5% — a menor queda em 11 meses. A Bolsa de Xangai subiu 1,17%, atingindo seu maior patamar em 14 meses. Seul avançou 1,25% e Hong Kong, 1,95%. Já o Nikkei, em Tóquio, recuou 0,16%.

Além da euforia chinesa — que ajuda especialmente a Bolsa brasileira, com peso de cerca de 50% em ações ligadas a matérias-primas —, o mercado de ações também repercutiu números positivos da economia americana e o início da safra de balanços das empresas do país, especialmente bancos, acima das expectativas.

Os investidores americanos ficaram otimistas com o resultado do banco JPMorgan Chase, que no terceiro trimestre lucrou US$3,6 bilhões, ou US$0,82 por ação. As projeções eram de US$0,52 por ação. No mesmo período de 2008 — o auge da crise financeira — o ganho foi de US$527 milhões.

Outros fatores positivos foram os dados de estoques e vendas no varejo. Os estoques empresariais caíram 1,5% em agosto, a maior queda desde dezembro e atingindo o menor nível desde dezembro de 2005. Esperava-se recuo de 0,9%. Já as vendas do varejo recuaram 1,5% em setembro, contra projeções de queda de 2,7%. Segundo analistas, o resultado deve-se ao fim do programa Dinheiro por Sucata: excluindo automóveis, as vendas subiram 0,5%.

O Dow Jones subiu ontem 1,47%, aos 10.015 pontos. Nasdaq e Standard&Poor’s também fecharam em alta, de 1,51% e 1,75%, respectivamente. Na Europa, o lucro do JPMorgan e os dados da China influenciaram o setor bancário e os papéis ligados a commodities. Londres avançou 1,98%, Frankfurt, 2,45%, e Paris, 2,14%.

COLABOROU Patrícia Duarte, com agências internacionais

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Lula: país deve crescer 5% no próximo ano

Posted on 28/09/2009. Filed under: Economia |

Presidente exalta programas sociais e diz que redução de impostos isoladamente não é solução para a crise

Jailton de Carvalho
ISLA DE MARGARITA, Venezuela.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem que o Brasil, um dos primeiros países a sair da crise financeira global, deverá crescer 5% em 2010. Lula atribuiu o sucesso da economia brasileira à capacidade de atuação do Estado. Foram os programas sociais, na avaliação do presidente, que mantiveram o consumo de alimentos em alta.

— A economia brasileira está consolidando um crescimento de 5% para 2010 enquanto os países ricos ainda não têm clareza se a crise econômica já chegou ao fim — disse Lula, ao participar da reunião de Cúpula América do Sul-África (ASA).

Ao citar a conversa que teve com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante a reunião do G-20 em Pittsburgh, Lula disse que o Brasil se encontra numa situação melhor que a dos EUA. Enquanto em agosto último foram criados 242 mil empregos no Brasil, os EUA amargaram a perda de 700 mil empregos.

Afirmando que ainda é cedo para celebrar o fim da crise, o presidente Lula disse que é preciso medir o termômetro da economia e ir tomando decisões para cada situação.

Na sua avaliação, foram os programas sociais, como o Bolsa Família, que mais ajudaram o país a se recuperar da crise, e não a redução da carga tributária. A mera redução de impostos, explicou, enfraquece a capacidade de intervenção do Estado na economia. É por isso, disse ele, que nenhum dos países que promoveu diminuição drástica de impostos teve sucesso no combate às desigualdades sociais.

Durante a cúpula, Lula acertou com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, uma parceria entre a Petrobras e a PDVSA para a construção da refinaria Abreu de Lima, em Pernambuco. O acordo deve ser assinado dia 17, quando Lula retornará à Venezuela. Na noite de sábado, sete países da Unasul assinaram acordo de criação do Banco do Sul, como Venezuela, Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai, Uruguai e Chile — este último, por enquanto, será membro observador.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Emprego bate recorde para o mês de agosto

Posted on 18/09/2009. Filed under: Economia |

País abre 242 mil vagas formais, melhor resultado em 17 anos, mas ainda não recuperou todos postos cortados na crise

Geralda Doca
COLABOROU: Vivian Oswald

BRASÍLIA.

O emprego com carteira assinada bateu recorde em agosto com saldo de 242.126 postos. Foi o melhor resultado para o mês nos últimos 17 anos, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado ontem pelo Ministério do Trabalho. Entre janeiro e agosto, o país criou 680.034 empregos, mas ainda não retomou ao período pré-crise, quando tinha gerado 1,8 milhão de contratações. Também não conseguiu recuperar todos os 797,5 mil postos eliminados entre novembro, dezembro e janeiro.

Apesar disso, os números do mês passado indicam reação das contratações na indústria, ramo da atividade econômica mais prejudicado pela crise e que foi o segundo maior empregador em agosto, com saldo de 66.564 postos, atrás de serviços (85.568). Mesmo ainda amargando saldo negativo no ano, o resultado registrado pelo setor no mês passado foi quase quatro vezes o obtido em julho.

— Isso é importante, porque muitos analistas gostam de analisar o emprego pelo lado da indústria — destacou o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

— O resultado é impressionante e mostra que o país está saindo efetivamente da crise. O emprego é um tema caro e relevante para o governo — reforçou o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Machado.

Comércio cria 56 mil vagas e agropecuária elimina postos

Diante dos números de agosto, o ministro Lupi anunciou que, no próximo mês, vai revisar para cima a meta de criação de um milhão de postos este ano. Segundo ele, a retomada aos níveis pré-crise ocorrerá em 2010 — segundo ele o melhor ano do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em termos de geração de empregos, superando 1,7 milhão de empregos gerados em 2007.

Em agosto, o comércio respondeu por um saldo positivo de 56.813 empregos, seguido pela construção civil (39.957) e a administração pública (3.305). Por fatores sazonais, a agropecuária eliminou 11.249 postos. O Sudeste respondeu pela maior parte das contratações, com saldo de 106.085.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Pesquisa mostra alta na renda dos brasileiros

Posted on 04/09/2009. Filed under: Economia |

Houve ganhos em todas as classes e aumentou a sobra no orçamento. Estudo foi tema de debate no GLOBO

O brasileiro está chegando no fim do mês com mais sobra no orçamento — o que é consequência do aumento da renda familiar em todas as classes sociais. A renda disponível (ou seja, a sobra do orçamento no fim do mês que vai para consumo ou poupança) da classe D/E, por exemplo, mais do que triplicou de 2007 para 2008. É o que mostra a pesquisa “Observador Brasil 2009”, feita em parceria por Cetelem e Ipsos-Public Affairs. Os dados foram apresentados ontem no “2ºPainel de Tendências”, ciclo de debates realizado no auditório do GLOBO.

A apresentação do estudo foi feita por Marcos Etchegoyen, vice-presidente da Cetelem. Em seguida, houve uma mesa redonda com Paulo Roberto Cidade, diretor de Atendimento da Ipsos-Public Affairs; Alberto Almeida, autor do best seller “A cabeça do brasileiro”, colunista do jornal “Valor Econômico” e diretor do Instituto Análise; e Rogério Zylbersztajn, vice-presidente da RJZ Cyrela. O debate teve a mediação da colunista do GLOBO Flávia Oliveira.

De acordo com o estudo, a renda disponível da classe A/B subiu de R$506 em 2007 para R$834 em 2008 (alta de 64,8% de um ano para o outro). A da classe C avançou de R$147 para R$212 (44,2%) e a da classe D/E, de R$22 para R$69 (213,6%).

— Isso foi possível porque todas as classes tiveram melhoras na renda familiar em 2008 — disse Etchegoyen, ressaltando os avanços da renda familiar de 16,5% na classe A/B, de 13% na C e de 12% na D/E.

Na avaliação de Etchegoyen, o ano de 2008 marcou a consolidação da classe C no país — que teve um acréscimo em torno de 20 milhões de pessoas em dois anos. De 2006 para 2007, cerca de 12 milhões pessoas migraram das classes D/E para C.

— Esses 12 milhões representam duas vezes a população de Portugal. E passaram a adquirir bens, a consumir. E um reflexo disso é o crescimento da demanda por crédito — disse Etchegoyen, acrescentando que o volume de crédito no país já atingiu R$267 bilhões.

MARCOS ETCHEGOYEN, Paulo Cidade, Alberto Almeida, Rogério Zylbersztajn e Flávia Oliveira, no seminário

MARCOS ETCHEGOYEN, Paulo Cidade, Alberto Almeida, Rogério Zylbersztajn e Flávia Oliveira, no seminário

O estudo mostrou como o consumidor reagiu à crise financeira. Segundo a pesquisa, em março deste ano, 58% dos brasileiros acreditavam que a crise certamente atingiria o bolso. Em dezembro de 2008, eram 39%.

— Hoje, a demanda por crédito já está em patamar de pré-crise — comentou Etchegoyen.

Segundo Cidade, a crise afetou menos a confiança do brasileiros em comparação com outros países. Na Europa e nos Estados Unidos, os indicadores de confiança estavam em patamares de 10% a 15% em fins ano passado. No Brasil, 60%.

— No primeiro semestre de 2009, enquanto no Brasil a confiança caía, outros países começavam a melhorar. O fato positivo é que não caímos tanto quanto eles caíram.

Para Zylbersztajn, o setor de construção civil sentiu pouco a crise. Ele conta que agosto de 2008 bateu todos os recordes de vendas. Setembro e outubro, contudo, foram um desastre. Mas, em agosto de 2009, um novo recorde foi quebrado.

— Aconteceu o irracional: o mundo não quebrou naquele setembro negro — disse Zylbersztajn, frisando que a a classe C dá novo fôlego à construção civil. — Hoje há dificuldade em vender imóveis de luxo. Os imóveis de “Minha casa, Minha Vida” são vendidos no lançamento.

Carga tributária, um entrave para a expansão do consumo

Almeida lembrou ainda da importância da Bolsa Família no consumo das classes mais baixas e no crescimento do crédito. Disse ainda que houve uma mudança de patamar de consumo do brasileiro. Ele acrescentou que há alguns entraves para o crescimento do consumo, como a carga tributária que encarece os preços dos artigos.

— A classe C tende a continuar a crescer. E a classe C brasileira quer as mesmas coisas que a classe A e B tem.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Custo de higiene deve cair 50%

Posted on 04/09/2009. Filed under: Economia | Tags: |

Itens como sabonete e escova dental sofrerão redução de preço após inclusão na cesta básica estadual

Bernardo Moura
bernardo.moura@extra.inf.br

Os preços de pasta de dente, papel higiênico, escova dental e sabonete podem cair mais de 50% com a inclusão desses itens na cesta básica estadual. Foi publicado no Diário Oficial de ontem o sinal verde do governador Sérgio Cabral (PMDB) ao projeto de lei que inclui esses produtos de higiene no rol que, até então, continha apenas alimentos.

A queda no preço ocorrerá por conta de uma lei estadual que prevê redução de 19% para 7% da carga tributária que incide sobre os produtos da cesta básica. O percentual, referente em grande parte ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), é cobrado do comerciante quando ele compra do fornecedor.

Na venda ao consumidor, o imposto é zerado, segundo a Secretaria estadual de Fazenda. Mas, ainda de acordo com a pasta, os estabelecimentos costumam elevar um pouco o preço para garantir o lucro. Ainda assim, o desconto deve se manter acima de 50%, de acordo com o órgão.

Análise

A Secretaria estadual de Fazenda explicou que o projeto, de autoria do deputado estadual Wilson Cabral (PSB), ainda precisa ser destrinchado pelo governo. Na análise, serão determinadas as especificações dos novos produtos que integrarão a cesta básica. Somente itens que se encaixarem nos parâmetros serão contemplados com a redução de preço, e não todos os produtos existentes no mercado. Ainda não há prazo para a divulgação das especificações.

Numa grande rede de supermercados da cidade, uma escova de dentes custa, hoje, R$2,33. Com a redução estimada em 50%, ela passará a valer R$1,16. Um sabonete que atualmente é vendido por R$0,69 sairá por R$0,34. A cesta básica do Rio, que, até então, contava com 19 itens alimentícios, engordará sua lista para 23 produtos, após a inclusão dos artigos de higiene.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Contra a crise e em nome da produtividade

Posted on 31/08/2009. Filed under: Economia |

Empresas contratam especialistas para ensinar seus funcionários a organizar as finanças pessoais e a poupar

Juliana Rangel

O agravamento da crise financeira internacional fez com que grandes empresas do país dessem um passo à frente e procurassem ajuda profissional para orientarem seus funcionários a poupar e a investir. Por trás da estratégia está a convicção de que empregado endividado é menos produtivo: falta mais ao trabalho para ir ao banco e renegociar os débitos, tem maior incidência de brigas conjugais e dificuldades em concentrar-se nas suas atividades profissionais.

Em 2009, a média de cursos dados pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) sobre finanças pessoais a pedido de empresas foi de quase oito por mês. Em outubro do ano passado, quando a situação era mais preocupante após a quebra em setembro do Lehman Brother’s, o número chegou a 26.

A gerente de desenvolvimento organizacional da Net de São Paulo, Andrea Campos, conta que os funcionários passaram a questionar mais a crise nos últimos meses. Em maio, a empresa contratou os serviços da Bolsa para a “Jornada do desenvolvimento”, semana voltada para o aprendizado de funcionários e parceiros da empresa, incluindo terceirizados.

— A crise não era um problema para a Net, pois estávamos em fase de contratação. Mas alguns dos cônjuges de nossos funcionários tinham sido desligados das empresas em que trabalhavam e aquele seria o momento adequado para falar disso. Todos estavam ávidos para debater o tema — diz.

Turbulência preocupa também quem está empregado

A gerente dos programas de popularização da BM&F Bovespa, Patricia Quadros, confirma que a procura foi maior na fase de turbulência. Mas ela lembra que a Bolsa só computa a quantidade de cursos dados, e não a demanda das companhias.

— Apesar de não termos dados concretos sobre a demanda, sabemos que, quanto maior a crise, maior a tensão com o assunto. Mesmo as pessoas que estão empregadas se preocupam, pois tentamos estimular o pensamento no futuro — diz.

A Light também adotou a estratégia de orientar financeiramente seus empregados e incluiu o tema em seu Programa de Qualidade de Vida, oferecido a funcionários. No ano passado, contratou uma consultoria especializada em gestão de finanças pessoais e fez 13 palestras, em dez unidades da empresa, com participação de 700 empregados.

Neste ano, a empresa planeja fazer um curso online, e publicará os módulos ensinados na internet para que familiares e amigos dos empregados também possam aprender. Entre os temas estão como fazer um orçamento, planejar gastos e gerenciar investimentos.

A consultora Cássia Aquino se dedica há alguns anos à organização de estratégias de ensino e orientação para empresas, para que elas possam desenhar seu próprio programa de educação financeira. Segundo a especialista, a maior demanda vem de setores cujas atividades envolvam algum risco. É o caso das siderúrgicas, por exemplo.

— São áreas em que os funcionários precisam ter maior concentração — afirma.

Na sua avaliação, um funcionário preocupado com dívidas tende a faltar mais ao trabalho, adoece com maior facilidade e tem a saúde física e mental mais fragilizada.

— Os meus trabalhos têm sido feitos há um longo tempo, mas acho que a crise fez crescer o desespero das pessoas de maneira geral — diz.

Reconhecer as dificuldades é o mais difícil, diz especialista

Para a especialista, a maior dificuldade enfrentada pelas pessoas, de maneira geral, é o controle dos gastos.

— Os gastos fixos são mais fáceis de controlar, mas há outros que devem ser anotados. O primeiro passo é reconhecer o problema da falta de controle do orçamento — diz.

CARLOS GUEDES vivia endividado e, agora, está até poupando: "Dificuldade era não saber aonde ia meu dinheiro"

CARLOS GUEDES vivia endividado e, agora, está até poupando: "Dificuldade era não saber aonde ia meu dinheiro"

Aos 26 anos, o gestor comercial Carlos Guedes dificilmente conseguia fazer o dinheiro chegar ao fim do mês. Após assistir a um curso na empresa em que trabalha, está conseguindo economizar 25% de seu salário. O que mudou?

— Coloquei tudo na ponta do lápis e tirei coisas supérfluas do meu dia a dia, como cafezinho, coxinha de galinha, coisas bobas. Passei a dar valor para os pequenos gastos e fiquei mais disciplinado. Jogo tudo numa planilha e descobri que a minha maior dificuldade era não saber para onde estava indo o meu dinheiro — afirma.

 

GERALDO TOLENTINO: "Agora, já pagamos tudo o que devíamos"

GERALDO TOLENTINO: "Agora, já pagamos tudo o que devíamos"

Para o técnico eletricista Geraldo Tolentino, a maior lição foi a renegociação de dívidas:

— Depois do curso, fiz uma reunião no fim de semana com minha mulher e decidimos renegociar as dívidas do cartão de crédito e do cheque especial. Agora, já pagamos tudo o que devíamos e estou investindo em um curso de inglês para minha filha — orgulha-se.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

« Entradas Anteriores

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...