Dez vezes mais energia

Posted on 24/08/2009. Filed under: Economia |

Mônica Tavares

As últimas quatro décadas foram determinantes para a consolidação do sistema energético nacional e, consequentemente, para a industrialização do país. Neste período, o Brasil deixou para trás uma fonte poluente e arcaica (o carvão vegetal), construiu a maior hidrelétrica do mundo, a binacional Itaipu, e entrou no campo da geração nuclear. Em 40 anos, a capacidade de produzir energia do país aumentou dez vezes, de 10.262 megawatts (MW), suficientes para iluminar apenas a Brasília de hoje, para 104.400 MW. E, hoje, 99% dos lares brasileiros têm luz elétrica.

Uma das marcas desse período é a ascensão das hidrelétricas, que produzem atualmente cerca de 78 mil MW da energia nacional a partir de 662 usinas. O destaque absoluto é a hidrelétrica binacional de Itaipu, no Rio Paraná, inaugurada em 1984. Seus 14 mil MW de potência abastecem 20% do mercado nacional e representam mais do que os quatro maiores projetos de hidrelétricas atualmente em execução no país. Somam-se à Itaipu mais sete gigantes de porte internacional, com mais de dois mil MW de potência, como Tucuruí, no Tocantins, Xingó, em Sergipe, e Ilha Solteira, em São Paulo.

Um pouco dessa história será analisada hoje no seminário “Cenários e Perspectivas para o Brasil”, com patrocínio da CNI. O seminário para convidados, no auditório do GLOBO, será em comemoração aos 40 anos do caderno de Economia do jornal.

Segundo Nelson Hubner, diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), “praticamente tudo no setor aconteceu nestes 40 anos”:

— Construímos as grandes usinas e o sistema de transmissão

 Maria e Antônio Mesquita deixaram de andar uma hora até a casa da filha para ver televisão. A luz chegou em fevereiro

MARIA E ANTÔNIO MESQUITA deixaram de andar uma hora até a casa da filha para ver televisão. A luz chegou em fevereiroRacionamento parou o país em 2001

Com a segunda crise do petróleo, em 1979, o Estado brasileiro perdeu a capacidade de investir. A consequência veio duas décadas depois. Em março de 1999, a população de dez estados ficou sem luz durante 40 minutos. O apagão antecipava o pior cenário: a necessidade de racionamento de energia. Entre junho de 2001 e março de 2002, o racionamento travou a expansão do país.

O susto levou o governo a tentar garantir o fornecimento com as termelétricas. Hoje, esta é a segunda força geradora do país, com 995 unidades. O Brasil tem ainda 16 empreendimentos de geração eólica e duas usinas nucleares.

— A consolidação do parque gerador hidráulico e a privatização foram dois marcos importantes e positivos dos últimos 40 anos — disse Ricardo Lima, presidente-executivo da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace).

A privatização começou em 1995 pelas distribuidoras. Light e Cerj (atual Ampla) foram vendidas em 1996 e dois anos depois, foi a vez da Eletropaulo. Na geração, só a Gerasul foi privatizada.

A distribuição de energia sempre foi um desafio que, no entanto, só vem sendo atacado na última década, com a participação privada. O Brasil tinha 87.568 quilômetros de linhas no Sistema Interligado Nacional em operação ao fim de 2008, o suficiente para ligar Lisboa a Moscou, diz Hubner, da Aneel. O objetivo do governo é que o sistema elétrico do país esteja 99,6% interligado a partir de 2011, quando ficará concluído o Linhão Norte (Tucuruí-Macapá-Manaus).

A conclusão da ligação com o Norte, aliada à saturação das bacias hidrográficas das demais áreas do país, fazem da Região Amazônica a nova fronteira hidrelétrica do Brasil. Os três maiores empreendimentos em curso no Brasil estão na floresta, com custos socioambientais elevados. As usinas de Santo Antonio e Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia, somam 6.494 MW e foram licitadas em 2007 e 2008, respectivamente. A hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, com 11.181 MW, teve uma liminar que travava o processo de licitação derrubada há duas semanas. O potencial amazônico de geração chega a 112 mil MW — mais do que o país produz hoje.

Hoje, 57,9 milhões de lares têm luz

A construção das hidrelétricas e da malha de transmissão foi fundamental para levar eletricidade aos domicílios e negócios de todo o Brasil: este ano, 57,9 milhões de lares (99%) contam com o serviço, segundo a Aneel. O programa “Luz para Todos”, lançado em 2003, deu impulso à universalização. Seu objetivo, de levar energia a dez milhões de pessoas até o fim de 2008, foi alcançado em junho deste ano. Até setembro de 2010 fará mais um milhão de ligações.

O programa mudou a rotina da cearense Maria Moreira Mesquita, 64 anos. Moradora da comunidade Riacho do Meio, em Trairi, a 125 quilômetros de Fortaleza, ela costumava caminhar por uma hora até a casa da filha para ver televisão. Em fevereiro, pôde finalmente estrear sua TV de tela plana. Seu marido, Antônio, reclama da conta de luz de R$11 mensais, mas a mulher lembra dos benefícios.

— Ter água gelada é bem melhor.

COLABOROU: Isabela Martin

Anúncios

Make a Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: